Webinar com Educação Física aponta desafios da categoria regulamentada para atuação na Saúde em 2020

O Ciclo de Webinars ABTms reuniu o Conselho Federal de Educação Física (CONFEF) e profissionais da Educação Física na última quinta-feira (dia 8 de julho),  Com o tema “Telessaúde e Educação Física: visões de futuro”, o encontro trouxe à tona desafios de uma profissão cuja regulamentação para a atuação em educação e esporte ocorreu em 1998e obteve sua Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), apenas em fevereiro de 2020.

Com essa inclusão, específica para atuação na Saúde, o profissional de Educação Física passou a integrar, de forma mais clara e objetiva, as equipes dos Programas de Atenção Básica do SUS, possibilitando sua inclusão na Tabela de Prestação de Serviços do SUS e a atuação em programas hospitalares da rede universitária federal, por exemplo.

O evento contou com a presença de Carlos Alberto Eilert (vice-presidente do Confef), Marino Tessari, Professor da Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC e Membro da Comissão de Atividade Física e Saúde do CONFEF , de Dalila Tusset (Ministério da Saúde) e das coordenadoras do SIG Educação Física no Contexto Hospitalar (RUTE), Paula Maduro (Hu-Univasf) e Lidiane Tavares (UnB). O webinar foi apresentado pelo presidente da ABTms, Luiz Ary Messina, e contou com a presença da diretora científica da entidade,  Alexandra Monteiro.

Paula Maduro, profissional de Educação Física e chefe da Unidade de Graduação e Ensino Técnico do HU Univasf Petrolina, e Lidiane Tavares, profissional de Educação Física do Hospital Universitário de Brasília – HUB, apresentaram suas experiências como profissionais da Educação Física no atendimento hospitalar, durante a pandemia. Em ambos os casos, o atendimento a idosos foi direcionado para a Telessaúde, com respostas diferentes. No primeiro caso, em que o grau de autonomia dos idosos era maior, a experiência trouxe mais resultados positivos do que pontos de atenção, entre eles o empoderamento, aumento da capacidade funcional, diminuição de dores e domínio de ferramentas tecnológicas.

Na experiência realizada no Hospital Universitário da UnB, o alto grau de comprometimento cognitivo dos pacientes, alguns com Alzheimer, e a dificuldade de acesso à Internet dificultaram a implantação do atendimento remoto para idosos. No entanto, o programa direcionado a pacientes em tratamento oncológico apresentou inúmeras vantagens em relação ao outro grupo, que suspendeu completamente as atividades e retornou apenas em março, acumulando perdas de capacidades físicas e cognitivas.

Para Marino Tessari, a consolidação do processo de regulamentação da profissão na Saúde, a criação de protocolos, prontuários e a capacitação para uso da tecnologia são os maiores desafios enfrentados pelo setor no momento.

Desde 2020, a ABTms realiza um ciclo de webinars com profissionais de diversas áreas da saúde, com a participação de conselhos federais, regionais e pesquisadores. Até o momento foram realizados webinars com sete conselhos: enfermagem, fisioterapia e terapia ocupacional, fonoaudiologia, odontologia, farmácia, psicologia e nutricionistas.

O webinar na íntegra está disponível na área reservada a associados da plataforma digital da ABTms:

https://www.abtms.org.br/pt/webinar-com-profissionais-de-educacao-fisica-aponta-desafios-de-uma-categoria-profissional-regulamentada-recentemente-para-atuacao-na-saude/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *